quarta-feira, 30 de setembro de 2015

O Crente em Jesus e os Dez Mandamentos




Por: Pr. Levi Costa 

Dos Dez Mandamentos, nove são repetidos no N.T, não como leis, mas como instruções para os cristãos. Tem que ter havido um propósito em ficar de fora o quarto mandamento, enquanto os outros nove são repetidos com freqüência, confira:

Mandamento do A. T. Confirmação no N.T. 

1º Êx 20.2,3 - 50 vezes 
2º " 20.4 - 12 vezes 
3º " 20.7 - 4 vezes 
4º " 20.3-11 - Nenhuma vez, só censura 
5º " 20.12 - 6 vezes 
6º " 20.13 - 6 vezes 
7º " 20.14 - 12 vezes 
8º " 20.15 - 6 vezes 
9º " 20.16 - 4 vezes 
10º " 20.17 - 9 vezes 

Para os povos que nunca foram escravos na terra do Egito, o sábado do sétimo dia é um dia comum. Não encontramos no N.T. nenhuma recomendação para a guarda do sábado, nenhuma promessa para quem o observa e nenhuma advertência, para quem o viola – Rm 14.5; Gl 4.9,10. 

Vivemos hoje a dispensação da Graça

Dispensação: "Um período de tempo durante o qual Deus se relaciona com o homem de uma maneira específica”. Cristo e os apóstolos afirmaram que a Igreja não está mais sob o jugo da lei: Lc 16.16; Jo 1.17; 2 Co 3.3,7-8,10-11; Ef 2.13-15; Cl 2.14; Hb 7.18,19; 8.13; 10.9; Tg 2.10.

Pedro reconhecia a impossibilidade de alguém cumprir satisfatoriamente a lei, e Paulo, ainda que tenha sido um zeloso fariseu, concordava com Pedro - At 15.10,11; Gl 3.10,13. 

O Concílio de Jerusalém determinou que os cristãos nada têm com a Lei. Guardar a Lei é desviar-se do cristianismo bíblico - At 15.19,20; Gl 5.1-4. 

Paulo comparou a liberdade cristã à lei do casamento. Se uma mulher for de outro homem, estando seu marido vivo, é adúltera, pois está ligada à lei do marido. Nós não podemos estar ligados à lei e a Cristo ao mesmo tempo - Rm 7.1­3.

Quando o jovem rico perguntou a Jesus quais os mandamentos que devia guardar, Jesus enumerou a maioria deles, mas deixou de fora o sábado, por quê? Certamente o Sábado da Velha Aliança não é uma obrigação para os crentes da Nova Aliança em Cristo - Mt 19.18-19.

Domingo, Dia do Senhor e dia da Igreja

Domingo é o dia que Jesus ressuscitou e escolheu para manifestar-se aos seus discípulos:

Na Sexta-feira, e no Sábado, o Senhor jazia frio na morte, na tumba. Naqueles dias, os demônios estavam em grande júbilo, os discípulos não tinham esperança. Com muito sofrimento, eles lamentavam atrás de portas fechadas quando, então, aparece Jesus ressuscitado.

Jesus apareceu por dez vezes a seus discípulos num período de quarenta dias após ressuscitar: 

Cinco aparições, só no dia da ressurreição: Mc 16.9; Mt 28.9,10; Lc 24.13-25; Lc 24.34; Mc 16.14/Lc 24.36. 
Mais cinco aparições, uma semana depois voltou a aparecer: Jo 20.26-31; Jo 21.1-12; 1Co 15.5,6; 1Co 15.7; Mc 16.19/Lc 24.50,51/At 1.3,9.

Nem uma só vez Jesus apresentou-se a seus discípulos num dia de sábado. Sempre o fez no domingo, o Dia do Senhor. 

Portanto, qual é o dia adequado para o culto cristão? O sábado, dia em que Deus terminou a criação do mundo, ou o domingo, dia em que Jesus, concluiu a obra da salvação do mundo? O sábado, dia que comemora a libertação do povo de Israel, ou o domingo, dia em que Jesus assegurando a verdadeira liberdade, não só para Israel, mas também para toda a humanidade que se havia perdido?