sábado, 24 de outubro de 2015

Duas pessoas andarão juntas se não tiverem de acordo?




Por Pr. Levi Costa

O sábio Salomão diz que:

“Melhor é serem dois do que um, porque têm melhor paga do seu trabalho. Porque se um cair, o outro levanta o seu companheiro; mas ai do que estiver só; pois, caindo, não haverá outro que o levante. Também, se dois dormirem juntos, eles se aquentarão; mas um só, como se aquentará? E, se alguém prevalecer contra um, os dois lhe resistirão; e o cordão de três dobras não se quebra tão depressa.”(Eclesiastes 4.9-12). 

Porém, um não conseguirá andar com o outro se não houver acordo que possa somar os dois. Como indagou o profeta: 

"Acaso andarão dois juntos, se não estiverem de acordo?" - (Amós 3.3), é certo que não!

Foi o que ocorreu no episódio envolvendo Abrão e seu sobrinho Ló, vejamos:

"Não tinha capacidade a terra para poderem habitar juntos; porque os seus bens eram muitos; de maneira que não podiam habitar juntos. E houve contenda entre os pastores do gado de Abrão e os pastores do gado de Ló..." (Gênesis 13.6-7a). 

Para resolver o problema, Abrão sugeriu a seguinte solução para Ló: 

"E disse Abrão a Ló: Ora, não haja contenda entre mim e ti, e entre os meus pastores e os teus pastores, porque somos irmãos. Não está toda a terra diante de ti? Eia, pois, aparta-te de mim; e se escolheres a esquerda, irei para a direita; e se a direita escolheres, eu irei para a esquerda...Então Ló escolheu para si toda a campina do Jordão, e partiu Ló para o oriente, e apartaram-se um do outro. Habitou Abrão na terra de Canaã e Ló habitou nas cidades da campina, e armou as suas tendas até Sodoma." (Gênesis 13.8,9,11,12). 

Abrão seguiu o seu caminho e Ló seguiu o caminho que ele escolheu para si. É assim, o mundo é grande e tem oportunidade e lugar para todos.

Paulo e Barnabé vivenciaram um tenso episódio de diferença de opinião entre eles. A questão envolvia a pessoa de Marcos, por tê-los abandonado na primeira viagem missionária. Na opinião de Paulo, eles não deveriam levar a Marcos em uma outra viagem, já Barnabé era de opinião contrária, eles deveriam levar sim a Marcos em mais uma viagem missionária. 

Os dois homens de Deus tiveram uma grande discussão, o que resultou na separação de ambos nessa nova viagem. Paulo juntou-se a Silas e Barnabé prosseguiu com Marcos. É o que lemos no livro de Atos capítulo 15 versos 36 a 40 que diz:

“Algum tempo depois, Paulo disse a Barnabé: Voltemos para visitar os irmãos em todas as cidades onde pregamos a palavra do Senhor, para ver como estão indo". Barnabé queria levar João, também chamado Marcos. Mas Paulo não achava prudente levá-lo, pois ele, abandonando-os na Panfília, não permanecera com eles no trabalho. Tiveram um desentendimento tão sério que se separaram. Barnabé, levando consigo Marcos, navegou para Chipre, mas Paulo escolheu Silas e partiu, encomendado pelos irmãos à graça do Senhor.” (NVI).

Os sentimentos fazem parte de nossa condição humana. Mas é doentio e pecaminoso ficar amargurado por longo tempo. Paulo nos ensina que em nossas diferenças devemos ter um espirito brando e de aceitação que sempre procura perdoar e compreender. (Fp 2.3,4; Cl 3.13).

Ao escrever tais conselhos, talvez Paulo estivesse lembrando do episódio entre ele e Barnabé. Prova disso é que, tempos depois da discussão com Barnabé, Paulo solicitou a Timóteo que ao visita-lo, levasse consigo a Marcos, porque lhe era muito útil na obra (2 Tm 4.11). Assim, Paulo reconheceu o trabalho de Barnabé junto a Marcos. Contudo, naquele momento de diferença de opinião, não era possível prosseguirem juntos em viagem. Quando o conflito chega as pessoas imaturas fogem da luta, mas os de maturidade enfrenta-o honestamente. 

Cada um é cada um como indivíduo que é! Mas ninguém deve viver como se único fosse. Não é uma decisão sábia viver isolado dos outros, como bem disse Salomão:

“Busca satisfazer seu próprio desejo aquele que se isola; ele se insurge contra toda sabedoria.” (Provérbios 18.1).

Mas, diante de uma situação conflitante, que torna inviável uma caminhada juntos, é melhor cada um seguir seu caminho continuando amigos do que viver juntos em inimizade e contendas. Pois o trabalho que realizam só tem a perder numa situação de conflito e discórdia pessoal. 

“Acaso andarão dois juntos, se não estiverem de acordo?”